Acordo Brasil-Reino Unido viabiliza criação de plataforma sobre mudanças climáticas e adaptação

Lançado durante o evento da Iniciativa Empresarial em Clima (12/11), a plataforma reunirá conhecimento técnico dos dois países sobre adaptação às mudanças climáticas, com apoio técnico do GVces 17/11/2015
COMPARTILHE

Eric Klug, do British Council (esq.); Secretário Carlos Klink, do MMA; e Embaixador Alex Harris, da Grã-Bretanha

Por Bruno Toledo (GVces)

O Brasil ganhará mais um espaço para troca de informações e conhecimento sobre mudanças climáticas e adaptação. Anunciado no último dia 12, durante evento realizado pela Iniciativa Empresarial em Clima (IEC), a Plataforma de Conhecimento em Adaptação é fruto de uma parceria entre o Ministério do Meio Ambiente e o Instituto Internacional para o Meio Ambiente e Desenvolvimento (IIED), do Reino Unido, com apoio do British Council e execução do Centro de Estudos em Sustentabilidade da FGV-EAESP (GVces)

O objetivo do projeto é a criação de uma plataforma perene para compartilhamento de conhecimento sobre adaptação às mudanças climáticas e o impacto desta na sociedade brasileira - o que deve levar ao aumento da capacidade do Brasil para enfrentar os aspectos negativos provocados pelas mudanças climáticas.

Parte de um investimento inicial de R$ 2,5 milhões direcionado à essa agenda via o Newton Fund, a Plataforma será online e visa apoiar e promover a interação entre iniciativas sobre o tema, além de desenvolver sua governança estável e legítima, para obter o reconhecimento de seus públicos-alvo, funcionar efetivamente como um bem comum e se consolidar autossustentável econômica e operacionalmente.

Para Alex Harris, embaixador do Reino Unido no Brasil, esta iniciativa estimula o intercâmbio de conhecimento entre os dois países e facilita a atuação conjunta em temas de ciência e inovação em clima envolvendo não apenas atores públicos, mas também da iniciativa privada. "Os governos podem fixar metas e criar fundos, mas as mudanças nos padrões de desenvolvimento econômico serão feitas pelas empresas e pela sociedade civil", argumentou Harris durante o lançamento do Projeto no Instituto Tomie Ohtake (SP).

"Este hub surge num momento importante e pertinente, não apenas para gerar conhecimento, mas também para tratá-lo e refiná-lo", disse Carlos Klink, secretário de mudanças climáticas e qualidade ambiental do Ministério do Meio Ambiente. "Esta iniciativa também será importante para identificar possíveis gargalos técnicos que necessitam de mais pesquisa científica".

"Dois pontos importantes desse acordo são exemplos de cooperação", destacou Eric Klug, vice-diretor do British Council em São Paulo. "Primeiro, a mutualidade, algo mais profundo do que a troca, no sentido de ser algo do interesse das duas partes. E, segundo, a colaboração entre diferentes setores - empresas, governos e sociedade civil - que precisam estar juntos, trabalhando na mesma direção, para gerar resultados significativos e duradouros".