Bota na Mesa | Oficina 3 de Formação

Após 12 meses de trabalho conjunto entre o GVces e as organizações participantes do Bota na Mesa, chega o momento de viabilizar o acesso a novos mercados por meio de um plano de ação 20/12/2016
COMPARTILHE

Na 3ª oficina de formação do Bota na Mesa, o GVces facilitou, junto às nove organizações de agricultores familiares, a elaboração de um Plano de Ação que contribuirá para o acesso ao canal de comercialização escolhido.

A metodologia partiu do que havia sido construído no Canvas para levantar ações e distribuí-las em um cronograma de realização para os 12 meses seguintes, com início em outubro de 2016.

Essa ferramenta traz como pano de fundo duas dimensões: uma interna (relacionada a atividades de gestão e produção) e outra externa (para atividades de relacionamento com mercados). Além disso, marcos estratégicos foram pactuados em cada uma dessas frentes para o acompanhamento das organizações de produtores.

Estabelecendo como prioridade os primeiros três meses, esse formato nos possibilita dimensionar o esforço ao longo do tempo e encadear ações com maior segurança, tendo em vista os aprendizados adquiridos desde o início da jornada de formação.

Do lado interno, temos a elaboração de um material de comunicação que seja estratégico para o mercado que se pretende acessar. O conteúdo e a forma deste material serão definidos pelos agricultores e o GVces terá um papel de apoiar o desenvolvimento do que ficar estabelecido. Alguns exemplos: um perfil nas redes sociais, um folder ou um catálogo de produtos.

Do lado externo, o marco será a aproximação das cooperativas e associações do mercado alvo. Esta ação, chamada de “piloto de venda”, materializa a necessidade de ampliar o diálogo e estabelecer relacionamentos de qualidade entre os elos da cadeia. É nos pilotos que os envolvidos - de um lado as organizações e de outro lado o mercado escolhido - terão a oportunidade de tirar dúvidas, conhecer a realidade do outro, alinhar expectativas e buscar possíveis sinergias.

É também esperado que os pilotos ajudem as organizações a identificar oportunidades de melhoria em suas atividades de gestão e planejamento interno necessárias para a comercialização.

A construção dos planos de ação com as organizações foi uma das etapas mais vibrantes do primeiro ciclo do projeto, pois é o primeiro passo para realizações mais concretas que devem vir nesse próximo ciclo que se inicia.