Circuito universitário da 5ª Mostra Ecofalante de Cinema Ambiental começa em março

Dez instituições de ensino superior participam das sessões 02/03/2016
COMPARTILHE

Urbanização, resíduos sólidos, mudanças climáticas, Amazônia, lixo eletrônico, orgânicos, contaminação por químicos e a relação entre Código Florestal e colapso hídrico são alguns dos temas abordados pelos filmes do Circuito Universitário da 5ª Mostra Ecofalante de Cinema Ambiental, que acontece de 03 de março a 25 de abril em diversas faculdades na cidade de São Paulo.

Ao todo, dez instituições de ensino participam do Circuito em 2016: Fundação Armando Álvares Penteado (FAAP), Faculdade Cásper Líbero, Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM), Senac, Faculdade de Saúde Pública da USP, Universidade São Judas, Escola de Artes, Ciências e Humanidade (EACH) USP Leste, Universidade Presbiteriana Mackenzie, Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) e Fundação Getúlio Vargas (FGV).

No ano passado o Circuito atingiu cerca de 4.500 estudantes universitários, que além de assistir aos filmes participaram de debates sobre os temas abordados. A expectativa para 2016 é que este número dobre. As sessões são voltadas aos alunos das faculdades, sempre seguidas de debates com professores e convidados. Além de proporcionar uma experiência cinematográfica com a exibição de filmes de qualidade, o Circuito traz oportunidade para a reflexão sobre temas socioambientais e o aprofundamento de questões com os debates.

O Circuito é também um ‘aquecimento’ para a 5ª Mostra, que acontece de 28 de abril a 08 de maio em salas de cinema da capital paulista. Serão exibidos mais de 90 filmes em sessões gratuitas e também promovidos debates sobre diversos temas.

“Como são temas transversais, é importante que cheguemos a estudantes de diferentes áreas, não só ciências ambientais. Antropologia, direito, economia, administração, enfim, praticamente todos os cursos têm atuação neste campo e contribuições a dar. Promover a reflexão socioambiental junto a estes futuros profissionais é fundamental”, define o Diretor da Mostra Ecofalante, Chico Guariba.

 

A 5ª Mostra Ecofalante de Cinema Ambiental é uma realização da ONG Ecofalante, possível graças ao Programa de Apoio à Cultura (ProAC), do Governo do Estado de São Paulo, com patrocínio da White Martins e da Reciclo Pepsico e correalização da Secretaria de Cultura da Prefeitura de São Paulo e pela Spcine, a Mostra tem apoio institucional do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA), Embaixada da França no Brasil, Institut Français, La Cinémathéque Française, Le Monde Diplomatique Brasil, Escola do Parlamento da Câmara Municipal de São Paulo, Observatório do Clima, SOS Mata Atlântica, Greenpeace, Instituto Socioambiental (ISA), Instituto Democracia e Sustentabilidade (IDS), Instituto Akatu, Instituto de Energia e Ambiente (IEE)/USP, Rede Nossa São Paulo, Instituto Envolverde, Catraca Livre, Rádio Eldorado e Heritage Comfort Inn.

 

Filmes exibidos no Circuito

 

Trashed: Para Onde Vai o Nosso Lixo? (Trashed: No Place for Waste)   | Reino Unido, 2012, 97’ | Direção: Candida Brady | Produção: Candida Brady e Titus Ogilvy | Roteiro: Candida Brady| Fotografia: Sean Bobbitt | Edição: James Coward, Kate Coggins e Jamie Trevill | Sinopse: Trashed: Para Onde Vai o Nosso Lixo? olha para os riscos causados pelo lixo para a cadeira alimentar e o meio ambiente através da poluição do nosso ar, terra e mar. O filme revela fatos surpreendentes sobre os perigos reais e imediatos para a nossa saúde. É uma conversa global, da Islândia à Indonésia, entre o astro de cinema Jeremy Irons e cientistas, políticos e pessoas comuns, cuja saúde e meios de subsistência foram fundamentalmente afetados pela poluição de resíduos.

 

Amazônia Desconhecida (Unknown Amazon) | Brasil, 2013, 71’ | Direção: Daniel Augusto e Eduardo Rajabally | Roteiro: Daniel Augusto, Luiz Bolognesi e Eduardo Rajabally | Fotografia: Dado Carlín, Mauro Martins, Rodrigo Menck, Maurício Tibiriçá e Carlos Jay Yamashita | Edição: Daniel Augusto, Alessandra Iglesias, Paulo Mattos, Veri Ravizza e Renata Terra | Produção: Fernando Dias, Maurício Souza Dias, Caio Gullane e Fabiano Gullane | Sinopse: Documentário sobre os conflitos da Amazônia brasileira hoje. O filme acompanha o cotidiano de diversos grupos sociais que lutam por seu espaço, como índios, fazendeiros, sem terra, garimpeiros, entre outros. Entrevista cientistas, especialistas e personalidades, com objetivo de mapear qual o perfil atual e as consequências da ocupação humana da Amazônia brasileira.

 

Favelas: As Cidades do Amanhã (Slums: Cities of Tomorrow) | Canadá, 2013, 81’ | Direção: Jean-Nicolas Orhon | Roteiro: Jean-Nicolas Orhon | Fotografia: Vincent Chimisso | Edição: Hubert Hayaud | Produção: Christine Falco | Sinopse: Hoje, uma em cada seis pessoas vive em uma favela, ocupação ou outra habitação precária. Através de uma perspectiva sociológica e filosófica, o filme observa estruturas construídas em uma escala humana e proporciona um olhar íntimo em seus habitantes. O filme nos leva a uma viagem através dos continentes: a Mumbai, India, onde existe a maior favela da Ásia; a Rabat, Marrocos, no que antes foi uma fértil área agrícola; a uma ocupação em Lakewood, New Jersey; a um bairro de trailers em Marseille, França; e a uma comunidade nativa em Kitcisakik, Quebec.

 

A Fé nos Orgânicos (In Organic W eTrust) | EUA, 2012, 82’ | Direção: Kip Pastor | Roteiro: Kip Pastor | Fotografia: Todd Banhazl e Jeff Bierman | Edição: Michael Powell e Yoni Reiss | Produção: Kip Pastor e Emma Fletcher | Sinopse: Documentário revelador que mostra o verdadeiro significado de orgânico. Quando as corporações entraram no negócio e orgânico se tornou uma marca, a filosofia e o rótulo se separaram. Mas há esperança para os orgânicos e para nós! O diretor Kip Pastor olha para além do rótulo e desenterra soluções inspiradoras para a nossa saúde e para problemas ambientais. Cidadãos e comunidades estão resolvendo os problemas com suas próprias mãos, e a mudança está vindo do solo para cima.

 

O Experimento Humano (The Human Experiment) | EUA, 2013, 90’ | Direção: Dana Nachman e Don Hardy | Roteiro: Dana Nachman | Fotografia: Don Hardy | Edição: Don Hardy | Produção: Chelsea Matter, Dana Nachman e Don Hardy | Sinopse: O filme conta histórias de pessoas que acreditam que suas vidas foram afetadas por produtos químicos e leva os espectadores para as linhas de frente como ativistas fazem, cabeça a cabeça, com a poderosa e bem financiada indústria química. Esses ativistas trazem à luz um sistema corrupto que tem sido escondido dos consumidores...até agora. O filme revela a realidade chocante de que milhares de químicos não testados estão em nossos produtos de uso diário, em nossas casas e dentro de nós. Simultaneamente, a predominância de várias doenças continua a aumentar.

 

Thule Tuvalu (Thule Tuvalu) | Suíça, 2014, 96’) | Direção: Matthias Von Gunten | Roteiro: Matthias Von Gunten | Fotografia: Pierre Mennel | Edição: Caterina Mona e Claudio Cea | Produção: Valentin Greutert e Simon Hesse | Sinopse: Dois lugares em extremos de nosso planeta vêm fazendo as manchetes devido às mudanças climáticas: Thule, na Groenlândia, por seus recordes de degelo; e Tuvalu, porque esta remota ilha-nação no Pacífico é um dos primeiros países em vias de afundar como resultado da elevação do nível do mar. Se para nós o aquecimento global ocorre quase exclusivamente na mídia, ele está mudando toda a existência dos habitantes de Thule e Tuvalu. O filme retrata como eles são forçados a abandonar seu modo de vida tradicional mudando em direção a um futuro desconhecido.

 

Era Uma Vez Uma Floresta (Once Upon a Forest) | França, 2013, 78’ | Direção: Luc Jacquet | Roteiro: Luc Jacquet | Fotografia: Antoine Marteau e Jérôme Bouvier | Edição: Stéphane Mazalaigue | Produção: Yves Darondeau, Christophe Lioud e Emmanuel Priou | Sinpose: O filme convida seu público para um nunca antes visto mundo de maravilhas naturais e beleza surpreendente. Pela primeira vez seremos capazes de assistir a uma floresta tropical crescendo diante de nossos olhos. O filme nos fornece uma completa imersão sensorial no esplendor primitivo de um dos mais ricos mistérios da natureza, convocando o público a entrar, descobrir e se maravilhar com um universo de tesouros incalculáveis, enquanto une sua voz à crescente consciência da necessidade de preservar nosso mundo.

 

O Sabor do Desperdício (Taste the waste) | Canadá, 2011, 86’ | Direção: Valentin Thurn | Roteiro: Valentin Thurn | Fotografia: Roland Breitschuh | Edição: Birgit Köster | Produção: Astrid Vandekerkhove e Valentin Thurn | Sinopse: Incrível, mas verdadeiro: no caminho da fazenda para a mesa da sala de jantar, mais da metade dos alimentos vai para o lixo. A maioria antes mesmo de chegar aos consumidores. Por que cada vez maiores quantidades estão sendo destruídas: A agricultura é responsável por mais de um terço dos gases de efeito estufa em todo o mundo, pois requer energia, fertilizantes e terra. Além do mais, sempre que comida apodrece num depósito de lixo, o metano escapa para a atmosfera, um gás com um efeito 25 vezes mais potente que o dióxido de carbono. Em outras palavras, quando perdemos metade de nossa comida, isso tem um impacto desastroso sobre o clima mundial. Um documentário sobre o desperdício de alimentos e o que podemos fazer sobre isso.

 

A Lei da Água – Novo Código Florestal (The Water Law – New Forest Code) | Brasil, 2014, 78’) | Direção: André D’Elia | Fotografia: Federico Dueñas | Edição: Raoni Reis | Produção: André D’Elia e Fernando Meirelles | Sinopse: O filme esclarece as mudanças promovidas pelo novo Código Florestal e a polêmica sobre sua elaboração e implantação. O documentário mostra como a lei impacta diretamente a floresta e, assim, a água, o ar, a fertilidade do solo, a produção de alimentos e a vida de cada cidadão. Produzida ao longo de 16 meses, a obra baseia-se em pesquisa e 37 entrevistas com ambientalistas, ruralistas, cientistas e agricultores. Retrata ainda casos concretos de degradação ambiental e técnicas agrícolas sustentáveis que podem conciliar os interesses de conservação e produção da sociedade.

 

A Tragédia do Lixo Eletrônico (The E-Waste Tragedy) | França/Espanha/Reino Unido, 2014, 86’ | Direção: Cosima Dannoritzer | Roteiro: Cosima Dannoritzer | Edição: Dragomir Bajalica | Produção: Joan Ubeda, Fabrice Estève e Christian Popp | Sinopse: Todo ano, mais de 50 milhões de toneladas de lixo eletrônico – computadores, televisões, celulares, eletrodomésticos – são descartados no mundo desenvolvido. Setenta e cinco por centro desse lixo desaparece do circuito legal de reciclagem, com grande parte sendo jogada fora ilegalmente no Terceiro Mundo, onde destrói paisagens e prejudica vidas. O filme nos leva a uma viagem investigativa pela Europa, China, África e EUA, e revela um comércio global tóxico alimentado pela ganância e corrupção.

 

O Veneno Está na Mesa 2 (The Poison is on the Table 2) | Brasil, 2014, 70’ | Direção: Silvio Tendler | Produção: Maycon Almeida e Ana Rosa Tendler | Roteiro: Silvio Tendler | Fotografia: Xeno Veloso | Edição: Sil Veloso | Sinopse: Após o impacto do primeiro filme, esta produção atualiza e avança na abordagem das terríveis consequências para a saúde pública causadas pelo uso dos agrotóxicos dentro do modelo agrícola nacional atual. O filme enfoca a existência de alternativas viáveis de produção de alimentos saudáveis que respeitam a natureza, os trabalhadores rurais e os consumidores. Com este documentário, vem a certeza de que o país precisa tomar um posicionamento diante do dilema que se apresenta: em qual mundo queremos viver? O mundo envenenado do agronegócio ou o da liberdade e diversidade agroecológica?