IEC reúne representantes do Governo Brasileiro e da sociedade civil em Durban

Confira relato de Roberto Strumpf, pesquisador do programa Sustentabilidade Global do GVces, presente à Conferência do Clima realizada na África do Sul 09/12/2011
COMPARTILHE

Roberto Strumpf

 
Na noite do dia 8 de dezembro, ocorreu uma reunião muito interessante entre a IEC e importantes representantes do Governo Brasileiro e da sociedade civil. A ideia era fazer um balanço dos acontecimentos e, principalmente, uma analise da fala da Ministra Izabella Teixeira durante o coletiva de imprensa que havia terminado há pouco.
 
Naquela reunião informal, improvisada em uma das salas já desocupadas do DEC, naquela hora da noite, opiniões e números foram discutidos de uma forma bastante transparente pelos setores empresarial, público e ONGs, algo não muito comum até pouco tempo atrás para a realidade brasileira. Foi a materialização de um novo momento na forma de tomada de decisão nacional, marcado por uma construção conjunta, propícia ao diálogo e na busca de um consenso.
 
Este processo, possibilitado pela maior abertura dos representantes do governo e pela grande evolução na articulação e posicionamento do setor empresarial, é extremamente positivo para a construção de uma posição coerente e concisa do Brasil nas negociações internacionais. Esta agenda comum e positiva permitirá ao Brasil ser ainda mais firme e ambicioso nas negociações visando um acordo de mitigação de emissões internacionais legalmente vinculante, ou seja, um segundo período de compromisso do Protocolo de Kyoto (ou qualquer que venha ser o nome do novo acordo).
 
Além disso, internamente, o alinhamento de interesses possibilitado por esta construção conjunta facilitará a implementação de um esquema justo e custo-efetivo para a mitigação de emissões nacionais através da Política Nacional de Mudanças Climáticas de forma pragmática, levando em consideração as necessidades e limitações de todas as partes.
 
Ao fim da reunião todos concordaram quanto aos benefícios mútuos desta aproximação e se comprometeram com uma agenda mais intensa de diálogo durante 2012. Neste cenário, o Brasil sai fortalecido e preparado para firmar compromissos, pois sabe que contará com a colaboração de todos os setores, e o mundo sai beneficiado, pois hoje nosso país é um dos mais importantes players da questão climática. É um cenário onde só há ganhadores.