Parceria viabiliza inclusão de serviços ecossistêmicos nos planos de negócios das empresas

A ideia é desenvolver estratégias que aliem o desempenho empresarial à gestão sustentável dos ecossistemas. 10/05/2012
COMPARTILHE

Um grupo de empresas líderes brasileiras deu início hoje a uma parceria para incorporar serviços ecossistêmicos em suas estratégias de negócios. A Parceria Empresarial pelos Serviços Ecossistêmicos (PESE) representa um grande esforço para incluir a biodiversidade e os serviços ecossistêmicos na estratégia de negócios das empresas e melhorar o desempenho corporativo no Brasil, país sede da Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável (Rio+20), no próximo mês.

A ideia é desenvolver estratégias que aliem o desempenho empresarial à gestão sustentável dos ecossistemas. Empresas líderes, como Anglo American, Grupo André Maggi, PepsiCo, Vale, Votorantim e Wal-Mart, estão entre as primeiras companhias participantes desta iniciativa. A parceria é coordenada pelo Conselho Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável (CEBDS), Centro de Estudos em Sustentabilidade da Fundação Getúlio Vargas (GVces) e World Resources Institute (WRI), com apoio da Agência dos Estados Unidos para o Desenvolvimento Internacional (USAID).

“A indústria depende dos serviços ecossistêmicos, como produção de alimentos, água doce e limpa, um clima estável, e proteção contra riscos naturais como enchentes, entre outros benefícios,” explicou Craig Hanson, diretor do Programa de Pessoas e Ecossistemas do WRI. “A PESE irá capacitar as companhias brasileiras a gerenciar proativamente riscos e oportunidades nos negócios, decorrentes de suas dependências e impactos sobre os serviços ecossistêmicos.”

A parceria irá impulsionar novas soluções de negócios em meio à larga degradação dos ecossistemas através da aplicação local da Corporate Ecosystem Services Review (ESR), ou Revisão Corporativa dos Serviços Ecossistêmicos, metodologia líder de avaliação de serviços ecossistêmicos, desenvolvida pelo WRI, em cooperação com o World Business Council on Sustainable Development (WBCSD) e o Meridian Institute. Aplicando a ESR, cada empresa parceira da PESE vai desenvolver estratégias para melhor competir e ter sucesso em um mundo que cada vez mais esbarra nos limites naturais dos ecossistemas.

“As companhias que já utilizam a ESR têm sido capazes de descobrir novas estratégias rentáveis enquanto protegem e restauram os ecossistemas. Nosso objetivo é replicar esse sucesso no Brasil,” disse Marina Grossi, presidente do CEBDS (Conselho Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável).

Um exemplo de uma companhia que registrou resultados positivos a partir do gerenciamento consciente dos escossistemas em que opera é a Mondi, maior companhia europeia de papel e celulose. A Mondi conduziu a ESR em três plantações de papel na África do Sul, em 2008. A ESR ressaltou estratégias que a companhia poderia implementar para aumentar o acesso à água doce, melhorando as bacias hidrográficas regionais, estreitando relações com a comunidade local e reduzindo custos operacionais.

Aproximadamente 300 empresas no mundo já implementaram a ESR, desde 2008. Conforme essa metodologia ganha força no Brasil, WRI, CEBDS e GVces promoverão assistência técnica e consultoria às empresas parceiras, com o objetivo de assegurar a qualidade e eficiência na aplicação da ESR.

Os parceiros também têm como objetivo criar uma rede de empresas ativas na gestão de serviços ecossistêmicos no Brasil, para comunicar resultados, contribuir com estudos de casos e intensificar as estratégias de sucesso. “Assim como a chegada do GHG Protocol há cinco anos, o lançamento da PESE hoje representa um passo adicional na gestão de serviços ecossistêmicos no ambiente empresarial brasileiro” explicou Mario Monzoni, coordenador do GVces.

O evento de lançamento da PESE aconteceu no dia 10 de maio de 2012, das 17h às 18h, no Jardim Botânico no Rio de Janeiro – RJ.

Para saber mais sobre a PESE, acesse o site http://insights.wri.org/pese

 

A realização da PESE é possibilitada pelo apoio generoso do povo norte-americano, por meio da Agência dos Estados Unidos para o Desenvolvimento Internacional (USAID). Seu conteúdo é de responsabilidade do WRI, GVces e CEBDS, e não reflete necessariamente a posição da USAID ou do Governo dos Estados Unidos.