Simulação de Mercado de Carbono é novo foco da EPC

Primeiro grupo de trabalho sobre o tema foi realizado no início de março com participação de 19 organizações da Plataforma Empresas pelo Clima (EPC) 06/03/2013
COMPARTILHE

 Leandro Gouveia
 

Considerando que a Política Nacional de Mudanças Climática prevê um mercado brasileiro de carbono, empresas atentas para a construção da economia de baixo carbono procuram se adiantar a essa nova realidade.

Com o objetivo de apoiar esse movimento, a Plataforma Empresas pelo Clima (EPC) terá o mercado de carbono como tema central de suas atividades em 2013. Neste sentido, o GVces (Centro de Estudos em Sustentabildiade) promoveu no dia 6 de março o primeiro grupo de trabalho (GT) da EPC para estruturar ao longo do ano uma proposta de mercado de carbono simulado. A ideia é que as empresas da plataforma vivenciem essa experiência antes que uma legislação específica entre em vigor, e assim possam estar preparadas para mais essa etapa da economia de baixo carbono no Brasil.
 
As 19 empresas que participaram do GT foram Abril, Andrade Gutierrez, Anglo American Niquel, Banco do Brasil, Boticário, Brasil Foods, Braskem, Camargo Corrêa Construtora, Ecofrotas, Givaudan do Brasil, IBOPE, Itaú BBA, Natura Cosméticos, Oi, Sanepar, Santos Brasil Logística, Suzano, Papel e Celulose, Ticket e Vale.